segunda-feira, 20 maio 2024
- Publicidade -
21.5 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Principais cuidados de saúde íntima para evitar problemas típicos no verão

 

verão é uma das estações mais aguardadas do ano, pois acompanha confraternizações, recesso/férias e, é claro, muito sol. Por isso, é comum aderir a cuidados especiais para aproveitar o melhor dessa época — mas engana-se quem pensa que apenas manter o skincare com muito filtro solar é o suficiente. Muitas vezes negligenciada, a saúde íntima demanda ainda mais atenção nesse período e você precisa compreender tal importância.

Devido às características típicas do verão e outros fatores comuns da estação, como idas à praia e à piscina, por exemplo, algumas condições são favorecidas. Entre as principais consequências, a ginecologista Neila Maria de Gois Speck, presidente da Comissão Nacional Especializada em Trato Genital Inferior da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), destaca a proliferação de fungos, que pode resultar em vulvovaginite (causando coceira, assaduras e corrimento), irritação íntima e candidíase.

“Como a temperatura é mais alta, é ainda mais importante ter atenção para que a região íntima fique mais arejada. Fungos e bactérias gostam de lugares quentes e úmidos, então temos que cuidar para manter a vulva mais fresca e seca”, explica Mariana Betioli, obstetriz e fundadora da Inciclo.

Como cuidar da saúde íntima no verão
Segundo Neila, os principais cuidados com a saúde íntima no verão demandam evitar hábitos como uso de biquíni molhado, roupas muito justas, absorvente diário, sabonetes em excesso, perfumes na região e automedicação para tratar sintomas de problemas vaginais. Sendo assim, as orientações são: realizar a troca da roupa de banho após o contato com a água, fazer o uso de tecidos leves (como o algodão), proteger a pele com cremes de assadura que contenham óleos vegetais e higienizar a área com sabonete neutro.

Mariana, por sua vez, alerta sobre os absorventes descartáveis, que oferecem risco ainda maior no verão. “Ficar com o sangue em contato com a vulva no calor, acelera a proliferação de microorganismos que podem causar infecção”, pontua.

O uso de absorvente interno também é desencorajado pela fundadora da Inciclo, visto que pode desencadear em Síndrome do Choque Tóxico (SCT). A condição rara é causada por uma infecção pelas bactérias Staphylococcus aureus ou Streptococcus pyogenes, que liberam toxinas que danificam os tecidos e, em casos mais graves, podem levar à falência de órgãos e amputação de membros. “O ideal é usar coletor ou disco menstrual, assim a vulva fica arejada e diminui o risco de infecções vaginais. Além disso, são excelentes alternativas para quem vai para praia ou piscina, pois permitem entrar tranquilamente na água e podem ser usados por até 12 horas”, indica Mariana.

Por fim, Neila destaca que a alimentação também merece atenção para manter a saúde íntima. “Os carboidratos podem ser transformados em açúcares e o excesso pode favorecer a acidez vaginal e ajudar na proliferação dos fungos”, explica a médica, indicando manter uma dieta balanceada, rica em alimentos frescos e naturais.

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

Arrombamento em relojoaria de Tangará: Polícia prende 3 e recupera objetos

Na madrugada desta segunda-feira, 20, uma relojoaria localizada no...

Percentual de analfabetos não reduz em Mato Grosso em 5 anos

A quantidade de pessoas analfabetas ficou estável em Mato...

Há 10 anos, Polícia Federal invadia todos os Poderes em Mato Grosso

Há exatamente 10 anos, Mato Grosso amanhecia como destaque...
Feito com muito 💜 por go7.com.br