terça-feira, 23 abril 2024
- Publicidade -
Dengue
25 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Ondas de calor impactam produção agrícola e número de recuperações judiciais devem explodir em Mato Grosso

O calor extremo já tem causado prejuízos aos produtores de grãos no Estado. A chamada “quebra da safra” tem diminuído a produção, mesmo com os custos elevados.

Por conta disso, já é visto um aumento nos processos de recuperação judicial de produtores e grupos do agronegócio. Os processos de recuperação ligados ao campo aumentaram nos últimos meses e têm sido predominantes nos novos casos registrados nas Varas de Recuperação Judicial do Estado.

A startup A de Agro, que atua na gestão de dados para o agronegócio, aponta que nove cidades do Estado estão com “perigo elevado” de quebra de safra, quando a colheita está em risco. O motivo é o calor excessivo e a falta de chuvas.

Para o advogado Antonio Frange Junior, especialista em recuperação judicial, a situação se agrava mais porque vários setores ligados ao agronegócio ainda estavam saindo de uma crise ocasionada pela pandemia.

“O agronegócio, apesar de sustentar a balança comercial, tem enfrentado dificuldades. A questão climática é mais uma delas e a recuperação judicial é um meio de manter o setor pujante, gerando emprego e renda para Estado e municípios que tem a produção agrícola como principal fonte de arrecadação de impostos”, destacou Frange.

Frange destacou que, nos últimos meses, aumentaram os pedidos de recuperação judicial de produtores. Entre as justificativas estavam, justamente, a quebra da safra em virtude do clima quente e seco em praticamente todas as regiões do Estado.

“Os produtores explicaram que o plantio foi muito prejudicado pela questão climática, o que acabou diminuindo a área plantada em cerca de 20%. Os fazendeiros fizeram investimentos que não serão repostos na hora da colheita”, destacou o advogado.

Crise afeta o estado 

Em evento realizado nesta segunda-feira, o governador Mauro Mendes (União) também citou que o poder público deverá ser afetado com a ‘quebra da safra’ no campo. Segundo ele, a diminuição da produção em função do clima fará com que as mercadorias não circulem no volume adequado, gerando perdas na arrecadação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), além do Fethab (Fundo de Transporte e Habitação).

“Não será um ano como foi 2023, 2022 e 2021. Será um ano de algum nível de dificuldade, a receita nossa vai ser impactada, o Fethab vai ser impactado. Direta ou indiretamente, a nossa arrecadação depende da nossa atividade econômica. Isso vai trazer alguma consequência no dia-a-dia de todos nós, cidadãos, prefeitos, secretários”, alertou o governador.

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

MT entrega 30 mil uniformes escolares confeccionados por reeducandos

 O Governo de Mato Grosso vai entregar, nesta quarta-feira...

Decreto de Lula é visto como ameaça real e acirra ânimos entre governo e o Agro

O decreto 11.995/2024, que institui o Programa Terra da Gente...
Feito com muito 💜 por go7.com.br