terça-feira, 23 abril 2024
- Publicidade -
29.1 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Mendes confirma busca pela reeleição; Fávaro sente impacto da adesão ao PT e flexibiliza

 
 

Às vésperas da abertura do prazo para as convenções partidárias, as peças do tabuleiro político em Mato Grosso começam a marcar posições. O que todos já esperavam – a busca do governador Mauro Mendes pela reeleição – se confirmou ontem, ao mesmo tempo em que o senador Carlos Fávaro (PSD), que também poderá disputar o governo, demonstrou ter sentido o impacto negativo da sua adesão à frente esquerdista liderada pelo PT.

Confirmado

Mauro Mendes (União Brasil) confirmou ontem (segunda, 18) sua pré-candidatura à reeleição ao governo do Estado nas eleições de 02 de outubro próximo. O anúncio ocorreu à noite, na sede do partido, em Cuiabá, ao lado da esposa e primeira-dama estadual, Virgínia Mendes, e junto ao senador Jayme Campos (União Brasil) e de Wellington Fagundes (PL), pré-candidato à reeleição no Senado Federal.

Segundo publicado pela imprensa da capital, o governador disse que tomou a decisão após criteriosa avaliação. “Neste final de semana, fazendo a última reflexão, eu resolvi aceitar colocar meu nome à disposição para disputar o governo do estado de Mato Grosso”, declarou.

 
Mendes pretende formalizar convite ao atual vice-governador, Otaviano Pivetta (Republicanos) para compor a chapa majoritária.
 

Golpe sentido

O senador Carlos Fávaro, do PSD, demonstrou ontem ter sentido o impacto negativo de sua decisão (conjunta, com o deputado federal Neri Geller, do PP) em compor com a Federação PT, PCdoB e PV.

A adesão de PP e PSD ao bloco de esquerda foi repudiada em Mato Grosso, especialmente pela classe produtora, em manifestações através de entidades ligadas ao setor.

Assim, em nota divulgada à imprensa (veja, ao final do texto) e assinada por Fávaro, o PSD autorizou a neutralidade de seus pré-candidatos às proporcionais a optarem pelo apoio a outras frentes que não seja, necessariamente, a esquerdista.

Categoricamente, a neutralidade declarada pelo PSD expõe divergências internas na sigla quanto à adesão à esquerda, desarmonia poderá significar frustrações e obstáculos aos possíveis eleitos quando do exercício dos mandatos legislativos.

</span>”,”nextFontIcon”:”</span>”}” data-theiapostslider-onchangeslide=”””” data-theiapostslider-loaded=”true”> 

 

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

MT entrega 30 mil uniformes escolares confeccionados por reeducandos

 O Governo de Mato Grosso vai entregar, nesta quarta-feira...

Decreto de Lula é visto como ameaça real e acirra ânimos entre governo e o Agro

O decreto 11.995/2024, que institui o Programa Terra da Gente...
Feito com muito 💜 por go7.com.br