quarta-feira, 17 abril 2024
- Publicidade -
Dengue
23.2 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Mais de 60% das famílias sofrem com insegurança alimentar em Mato Grosso

Insegurança alimentar atinge 63,2% (2.254) das famílias em Mato Grosso. Deste total, 31,1% (1.109) passam por insegurança alimentar considerada leve, 14,4% (514) moderada e 17,7% (631) grave. A situação mostra preocupação no acesso à segurança alimentar no estado, que representa apenas 36,8% (1.313). Os dados foram divulgados pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Vigisan), e compõem o Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da covid-19 no Brasil.

Em Mato Grosso, as famílias mais vulneráveis à insegurança alimentar moderada e grave são aquelas com renda inferior a 1/2 Salário Mínimo Per Capita (SMPC), cujas pessoas de referência estão desempregadas ou em condição de trabalho precária, além de apresentarem baixa escolaridade. No Estado, apenas 47,8 % dos domicílios com renda per capita de até
1/2 salário mínimo, recebem transferência de renda pelos programas do governo federal.

Quanto à insegurança alimentar leve, a média nacional de 28% é inferior à observada em Mato Grosso, cujos percentuais indicam uma condição de instabilidade na capacidade das famílias de acesso aos alimentos.

Segundo a socióloga, Patrícia Félix, os dados refletem parcialmente a realidade, pois existe a subnotificação. “Embora Mato
Grosso seja o estado produtor de grãos e carnes, a pobreza é muito maior e difícil de mensurar”. Patrícia elenca fatores que influenciam na situação de insegurança familiar das famílias no estado.

“Falta de gestão de recursos públicos, de acesso à terra, à educação, além de condições precárias de trabalho e a falta de salário mínimo organizado em termos de valorização, todas essas questões estão relacionadas à vulnerabilidade alimentar”.
A operadora de caixa, Ariane Miranda, e o marido Itamar Vieira, que atua como auxiliar de pedreiro, não recebem o suficiente para proporcionar alimentação adequada aos filhos de 9, 3 e 2 anos.

“No final do mês sempre falta leite e carne. Se não fosse a ajuda de entidades filantrópicas com doação de cesta básica estaríamos em situação pior. As crianças pedem para comer, mas nem sempre temos a oferecer, é mais o básico mesmo.
Quando adquirimos alimentos priorizamos os mais baratos”.

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

O Impacto da Patrulha Maria da Penha na Segurança das Mulheres em Nova Olímpia

Na tarde da última terça-feira dia (16), a secretária...

Quase 4 bilhões de pessoas correm risco de infecção pelo Aedes

Quase quatro bilhões de pessoas em todo o mundo...

MT reduz em 49% desmatamento de floresta nativa em 2023 em relação a 2022

Mato Grosso reduziu em 49% o desmatamento de floresta...
Feito com muito 💜 por go7.com.br