quinta-feira, 13 junho 2024
- Publicidade -
19.5 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Em outubro, Mato Grosso registrou redução de 21% no desmatamento

 

Em outubro deste ano, 627 quilômetros quadrados (km2) foram desmatados na Amazônia Legal, uma redução de 22% em relação a outubro de 2021, quando a devastação atingiu 803 quilômetros quadrados. 

Somente em Mato Grosso, respondeu por 11% do total, com 69 km2 desmatados no mesmo período. Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), que monitora a floresta por imagens de satélite desde 2008.

Segundo o Imazon, Pará liderou o desflorestamento detectado em outubro passado, com 351 km (56%) derrubados, seguido do Amazonas (12%). O Acre (9%) aparece em quarto lugar no ranking, seguido de Rondônia (6%), Roraima (3%) e Maranhão (3%).

Terceiro no ranking, Mato Grosso obteve uma redução de 21% no desmatamento, se comparado a outubro de 2021, quando a área destruída atingiu 87 km2. As Terras Indígenas (TI) Manoki, que fica em Brasnorte e Urubu Branco, em Confresa (1.160 km a Nordeste da Capital), aparecem entre as 10 mais atingidas, com 4 km2 e 9km2, respectivamente, destruídos.

Apesar da redução, o Imazon aponta que o desflorestamento segue avançando em ritmo acelerado na Amazônia. De janeiro a outubro deste ano, foram derrubados quase 10 mil km² de floresta, o equivalente a mais de seis vezes a cidade de São Paulo. Além disso, a derrubada da floresta está se aproximando da região Norte do Pará, onde está o maior bloco de áreas protegidas no mundo.

Uma delas é a Floresta Estadual do Paru, que ficou em 5° lugar no ranking das unidades de conservação mais desmatadas na Amazônia.  Outro problema apontado pelo monitoramento do instituto foi a alta na degradação florestal causada pelas queimadas e pela exploração madeireira.

DEGRADAÇÃO – Esse dano ambiental passou de 537 km² em outubro de 2021 para 1.519 km² no mês passado, um aumento de 183%.

Entre os estados, os maiores responsáveis pela degradação foram Mato Grosso (74%) e Pará (19%). “Por meio das imagens de satélite, conseguimos identificar a maior ocorrência de queimadas, o que contribuiu para a alta da degradação.

Além de aumentarem a emissão de gases do efeito estufa, esses incêndios oferecem risco à saúde pública”, alerta Bianca Santos, pesquisadora do Imazon, por meio da assessoria de imprensa.

“Existem diversos estudos que associam a fumaça proveniente das queimadas da Amazônia com problemas respiratórios, o que afeta mais gravemente idosos e crianças. E isso não se limita apenas à população amazônica, já que essa fumaça viaja por quilômetros no ar até chegar a outras regiões do Brasil”, completa.

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

Feito com muito 💜 por go7.com.br