segunda-feira, 20 maio 2024
- Publicidade -
21.5 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Seleção terá recorde de &#39estrangeiros&#39 e marcas individuais no Qatar

Pela quinta edição consecutiva da Copa do Mundo, o Brasil será representado por uma seleção com menos de cinco atletas que atuam em clubes do país.

A convocação do técnico Tite tem apenas três jogadores em atividade no Brasil. São eles o goleiro Weverton (Palmeiras), o meia Éverton Ribeiro e o atacante Pedro (Flamengo).

O número se repetiu em 2006, 2010 e 2018. Como o total de convocados aumentou para 26 —devido ao calor no Qatar e à pandemia da Covid—, esta será a seleção mais “estrangeira” de todas as Copas, com 23 atletas que atuam no exterior e apenas 11,5% em clubes do Brasil.

 

No Mundial de 2014, quando o torneio foi disputado em solo brasileiro, quatro atletas de clubes nacionais foram chamados pelo então treinador Luiz Felipe Scolari.

A última convocação com maioria caseira foi a de 2002, ano do pentacampeonato no Japão e na Coreia. Também montado por Felipão, o elenco tinha 13 nomes atuando no país. Alguns foram titulares na campanha, como o goleiro Marcos (Palmeiras) e os volantes Gilberto Silva (Atlético-MG) e Kleberson (Athletico Paranaense).

Se a seleção chegar ao hexa no Qatar, será a primeira equipe brasileira campeã do mundo com mais representantes atuando fora do país.

A maioria “forasteira” ocorre pela sétima vez na história, consolidando uma tendência observada desde a década de 1990. O principal fator para essa mudança foi a abertura dos clubes da Europa para os jogadores de outros continentes.

Até então, os europeus contavam para o limite de estrangeiros se atuassem fora do próprio país –por exemplo, um italiano jogando na Inglaterra. Com a queda das fronteiras de trabalho na União Europeia, a cota passou a não incluir os jogadores comunitários, abrindo mais espaço para atletas de outros continentes nas equipes de ponta.

A primeira seleção majoritariamente “estrangeira” foi a da Copa de 1990, formada pelo técnico Sebastião Lazaroni com 12 jogadores de clubes europeus e 10 de times brasileiros.

Desde então, aproximadamente 71% dos convocados para vestir a amarelinha em Copas do Mundo foram de clubes estrangeiros (148, contra 59).

Em 1994, a delegação de Carlos Alberto Parreira teve uma composição dividida ao meio. Conquistou o tetracampeonato nos Estados Unidos com 11 representantes de times nacionais e 11 de outros países.

A primeira presença internacional aconteceu ainda em 1934, com a convocação do atacante Patesko, que atuava no Nacional-URU.

Foi também a única nas 11 primeiras edições da Copa, até 1978. Quatro anos depois, Telê Santana quebrou essa sequência e inaugurou a nova era ao incluir na lista o volante Falcão (Roma-ITA) e o atacante Dirceu (Atlético de Madrid-ESP).

A convocação do técnico Tite para o Qatar tem 12 jogadores que atuam no Campeonato Inglês, o mais valioso do mundo. O país lidera esse ranking pela terceira vez seguida desde 2014. A Espanha aparece bem atrás na segunda colocação, com cinco nomes neste ano.

Manchester United-ING, Real Madrid-ESP e Juventus-ITA são os clubes com mais convocados: três atletas cada um.

Com a nova lista, o Flamengo se iguala ao Vasco no pódio dos clubes que mais cederam jogadores para a seleção em todos os Mundiais, com 35 cada um. O Botafogo lidera (47), seguido pelo São Paulo (46).

O Real Madrid, do zagueiro Éder Militão e dos atacantes Rodrygo e Vinicius Junior, passa a ser o primeiro clube estrangeiro a aparecer no top 10 dessa lista, com 13 atletas cedidos na história. O time espanhol agora ocupa o nono lugar, superando o Atlético-MG, que tem 12.

A convocação tem três jogadores revelados pelo São Paulo (Éder Militão, Casemiro e Antony) e outros três pelo Corinthians (Weverton, Marquinhos e Éverton Ribeiro).

América-MG, Flamengo, Fluminense, Internacional e Santos aparecem em seguida, com dois atletas cada. Athletico-PR, Atlético-MG, Audax, Avaí, Bahia, Ituano, Juventude, Palmeiras, Ribeirão-POR e RS Futebol Clube fecham a conta, com um atleta profissionalizado em cada um desses clubes.

A seleção terá no Qatar 12 jogadores nascidos no estado de São Paulo, cinco no Rio de Janeiro e três no Rio Grande do Sul. Bahia e Minas Gerais contam com dois representantes. Acre e Espírito Santo completam a lista, com um selecionado cada um.

O “baixinho” da turma é o volante Fred (Manchester United-ING), que mede 1,69 m, e o “grandalhão”, o goleiro Alisson (Liverpool-ING), de 1,91 m.

O caçula é o atacante Gabriel Martinelli (Arsenal-ING), de 21 anos, e o mais experiente é o lateral Daniel Alves (Pumas-MEX), de 39. Ele se tornará o brasileiro mais velho a defender o Brasil em uma Copa, superando Djalma Santos, que tinha 37 no Mundial de 1966.

Outro veterano na lista é o zagueiro Thiago Silva (Chelsea-ING), de 38 anos. Ele será apenas o oitavo brasileiro da história a disputar quatro Copas na carreira, depois de Castilho, Nilton Santos, Djalma Santos, Pelé, Emerson Leão, Cafu e Ronaldo.

Dos 26 chamados por Tite, dez já jogaram ao menos uma Copa. Além dos já citados Alisson, Daniel Alves, Thiago Silva e Fred, defenderão novamente a seleção o goleiro Ederson (Manchester City-ING), o lateral Danilo (Juventus-ITA), o zagueiro Marquinhos (PSG-FRA), o volante Casemiro (Manchester United-ING) e os atacantes Gabriel Jesus (Arsenal-ING) e Neymar (PSG-FRA).

Principal estrela do elenco, Neymar se tornará o primeiro jogador brasileiro depois de Pelé a disputar três Mundiais vestindo a lendária camisa 10 da seleção eternizada pelo Rei.

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

Arrombamento em relojoaria de Tangará: Polícia prende 3 e recupera objetos

Na madrugada desta segunda-feira, 20, uma relojoaria localizada no...

Percentual de analfabetos não reduz em Mato Grosso em 5 anos

A quantidade de pessoas analfabetas ficou estável em Mato...

Há 10 anos, Polícia Federal invadia todos os Poderes em Mato Grosso

Há exatamente 10 anos, Mato Grosso amanhecia como destaque...
Feito com muito 💜 por go7.com.br