domingo, 25 fevereiro 2024
- Publicidade -
Banner Topo
26.3 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Homem que tingiu cachoeira em Tangará se diz alvo de ecochatos

 
 

  

Após ser multado em R$ 10 mil por colocar corante azul na cachoeira Queima-Pé durante um chá de revelação em Tangará da Serra, o tio da gestante, disse que não sabia que precisava de autorização para colorir a água.

Em reportagem do programa Fantástico, da TV Globo, ele também afirmou que a polêmica foi causada por “ecochatos”.

“Você acha que nós iríamos poluir a água de um rio? Fizemos a coisa mais linda do mundo. E para esses ecochatos… É um produto biodegradável que não faz nada ao meio ambiente. Apenas colore a água. Só isso”, afirmou o homem durante a entrevista.

Ele afirmou, ainda, que da próxima vez que for fazer um ato do tipo, vai pedir a autorização necessária. A punição de R$ 10 mil foi imputada ao homem na sexta-feira, 30, menos de uma semana após a comemoração do chá de revelação do casal.

Vídeos e fotos do chá revelação foram compartilhados nas redes sociais pelos convidados do evento. Nas imagens, é possível ver o momento em que a queda d’água atrás do casal começa a ficar azul. Além da substância que tingiu a água da cachoeira, uma fumaça da mesma cor também foi usada para revelar o sexo do bebê.

Corante não alterou qualidade da água

A Sema (Secretaria Estadual de Meio Ambiente) fez uma vistoria no local na segunda-feira, 26 de setembro, e informou que a qualidade da água da cachoeira não foi alterada pelo corante usado na revelação do sexo do bebê.

Os agentes não observaram alterações na cor e no odor da água ou morte dos peixes que vivem na região. O proprietário do terreno que abriga a cachoeira disse à Sema que cedeu o local para o chá revelação e não sabia que a água seria tingida de azul.

Decreto Federal

Segundo a Sema, o chá revelação do casal, que terá um menino, vai contra o decreto federal nº 6.514/2008, que define como passível de infração ambiental “lançar resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, ou detritos, óleos ou substâncias oleosas em desacordo com as exigências estabelecidas em leis, ou atos normativos”.

O decreto estipula que a multa por dano ambiental “terá por base a unidade, hectare, metro cúbico, ou outra medida do objeto jurídico lesado” e que o valor da punição deve ser fixada em no mínimo R$ 50 e no máximo R$ 50 milhões.

Com UOL

- Publicidade -
big master

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

A Transfiguração: «Este é o meu Filho amado. Escutai-o!»

Domingo 2 (B) da Quaresma Evangelho Mc 9,2-10 Seis dias depois, Jesus levou...

Maragogi, Gunga e Milgares; saiba mais sobre pontos turísticos do Alagoas

Com turismo em alta, especialmente no verão, estado do...
Feito com muito 💜 por go7.com.br