domingo, 26 maio 2024
- Publicidade -
25.4 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Dieta mediterrânea é eleita novamente uma das melhores para a saúde, entenda

O US News and World Report elegeu, pela sexto ano consecutivo, a dieta mediterrânea como uma das melhores do mundo para a saúde. Esse estilo alimentar inclui muitas frutas e vegetais, grãos integrais, nozes, frutos do mar, tomates e azeite.

Segundo a revista Food & Wine, para chegar a essa conclusão, os editores do U.S. News and World Report se aprofundaram em revistas médicas e relatórios do governo para criar o que chamam de “perfis detalhados” de possíveis escolhas.

Em seguida, pediu a um painel de especialistas reconhecidos nos Estados Unidos (incluindo médicos, nutricionistas e epidemiologistas nutricionais) que respondesse a uma pesquisa de 40 perguntas sobre cada dieta, que incluía itens como: “Todos os grupos de alimentos estão incluídos na dieta” e “A dieta pode ser modificada para atender às preferências culturais, religiosas e outras preferências pessoais?” Depois, pediu a mais 33 especialistas em nutrição, psicologia alimentar e gerenciamento de doenças crônicas para examinar seus perfis antes da publicação.

“De acordo com anos de pesquisa e evidências, comer principalmente alimentos à base de plantas, como frutas e vegetais, incorporando grãos integrais, feijões, nozes, frutos do mar, aves magras e gordura insaturada presente no azeite extra-virgem é muito bom para o bem-estar geral”, explicou o US News and World Report sobre sua decisão de nomear a dieta mediterrânea número um mais uma vez.

MAIS QUE DIETA, UM ESTILO DE VIDA

No entanto, observou uma ressalva importante: a “dieta” mediterrânea não é apenas uma maneira de comer, mas um modo de vida para muitos ao redor do mundo.

“Pessoas de muitas culturas diferentes já adotam essa forma de comer. Eles usam uma grande variedade de produtos, frutos do mar, ervas e especiarias. Afinal, o que importa é que muitos alimentos ricos em nutrientes sejam consumidos regularmente. A dieta mediterrânea se concentra na qualidade e não em um único nutriente ou grupo de alimentos”, acrescentou a equipe editorial.

O termo “dieta mediterrânea” foi popularizado por Ancel Keys, um cientista norte-americano. Como explicou o The New York Times, na década de 1950, Keys passou um tempo em pequenas cidades do sul da Itália, onde observou que muita gente que observava por lá lhe parecia mais saudável do que as pessoas de outros locais, como Nova York.

Keys sugeriu em sua pesquisa que isso se devia às escolhas alimentares da população do sul da Itália, que ele validou ainda mais no famoso “Estudo dos Sete Países”, que mostrou que aqueles que seguiam as escolhas alimentares da dieta mediterrânea tinham pressão arterial mais baixa e menor risco de doença cardiovascular.

No entanto, o nome pode enganar muitas pessoas, porque tanto a história quanto o alcance mundial dessa forma de comer se estendem para além da região do Mediterrâneo.

Como a professora Tina Moffat, antropóloga nutricional, e a professora Shanti Morell-Hart, também antropóloga, compartilharam em um artigo de 2020 publicado no The Conversation, “Definir uma única dieta mediterrânea é um negócio complicado. A região do Mediterrâneo abrange centenas de línguas e culturas, técnicas culinárias e estilos.”

Os pesquisadores observaram que “o passado antigo foi igualmente diverso, com milênios de migração e comércio em toda a região trazendo novos ingredientes e inovações culinárias. Pergunte a alguém no Líbano se a comida deles é igual à da Espanha, ou a alguém no Marrocos se suas tradições alimentares são idênticas às da Grécia.”

A dupla também observou que em qualquer pesquisa global sobre os princípios básicos da dieta mediterrânea podem ser encontradas tanto nas tradições alimentares quanto na culinária da maioria das culturas ao redor do mundo.

Eles destacaram especificamente a culinária do México como um excelente exemplo, observando que “a combinação de tortilhas de milho e feijão – acompanhadas por alimentos como molhos de abóbora e tomate – produziu proteínas vegetais completas que fornecem uma dieta nutritiva e sustentável” e “pesquisas sobre alimentos derivados e fermentados de soja encontrados na culinária tradicional chinesa mostram que eles são ricos em peptídeos bioativos que podem fornecer proteção contra doenças”.

A IMPORTÂNCIA DA CONVIVIALIDADE

E há mais um item importante apontado pela UNESCO, que acrescentou a dieta mediterrânea à sua lista de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade em 2013: a “dieta” não é apenas sobre comida – é também sobre comunidade.

“Comer juntos é a base da identidade cultural e da continuidade das comunidades em toda a bacia do Mediterrâneo. É um momento de troca e comunicação social, de afirmação e renovação da identidade familiar, grupal ou comunitária. A dieta mediterrânea enfatiza valores de hospitalidade, vizinhança, diálogo intercultural e criatividade, e um modo de vida guiado pelo respeito à diversidade. Desempenha um papel fundamental em espaços culturais, festas e comemorações, reunindo pessoas de todas as idades, condições e classes sociais.”

“Sentar-se juntos às refeições, pensar no que você está colocando na boca, passar o tempo cozinhando” são princípios fundamentais desse modo de vida, como Tina Moffat falou à Food & Wine, “e isso realmente não é específico da dieta mediterrânea”.

Portanto, enquanto as 21 nações que cercam as águas azuis do Mediterrâneo (que incluem nações da Europa, África e Ásia) tendem a receber o crédito, é importante lembrar que esse modo de vida é de e para todos. E dá para começar com o simples gesto de dividir as refeições e sentar à mesa junto de quem você ama.

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

Jogos hoje (26/05/24) ao vivo de futebol: onde assistir e horário

Confira onde assistir ao vivo aos jogos de futebol...

MPF investiga irregularidade na exploração de diamantes em MT por empresa de ucranianos

O procurador da República Guilherme Fernandes Ferreira Tavares instaurou...

Desastres afetam 6,1 milhões de pessoas em 10 anos no Estado

Mais de 6,1 milhões de mato-grossense já foram afetados...
Feito com muito 💜 por go7.com.br