segunda-feira, 20 maio 2024
- Publicidade -
21.5 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Safra de grãos do Brasil deve cair 3,2% em 2024

O segundo prognóstico da produção nacional de grãos, cereais, leguminosas e oleaginosas para 2024 é de 306,2 milhões de toneladas, com queda de 3,2% (ou menos 10,1 milhões de toneladas) ante a safra anterior.

De acordo com o segundo prognóstico do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado hoje (7) pelo IBGE, a safra brasileira de grãos, cereais e leguminosas deve totalizar 306,2 milhões de toneladas em 2024. Essa produção representa declínios de 0,7% em relação à primeira estimativa feita em outubro, e de 3,2% (ou 10,1 milhões de toneladas) na comparação com a safra de 2023.queda na produção pode ser atribuída, principalmente, à redução na produção do milho 2ª safra (-12,8% ou -13 168 154 t), do sorgo (-10,9% ou -467 621 t) e do algodão herbáceo em caroço (-4,4% ou -208 433 t). Com relação à área prevista, o arroz em casca (4,6%), o feijão (5,3%), a soja (0,1%) e o milho 1ª safra (0,1%) apresentam variações positivas. Por outro lado, sorgo (-1,8%), trigo (-0,3%), milho 2ª safra (-4,4%) e algodão herbáceo em caroço (-0,4%) mostram variações negativas.

“O milho, o sorgo e o algodão são mais cultivados na segunda safra, que é plantada após a colheita da primeira. O plantio da primeira safra atrasou devido à falta de chuva em alguns estados, como Mato Grosso. No Sul, por outro lado, choveu bastante, também dificultando o plantio. Assim, pode haver um atraso na colheita dessa safra, reduzindo a ‘janela de plantio’ para a segunda safra, o que reduz sua segurança em termos climáticos. A segunda safra é também conhecida como safra da seca”, explica Carlos Barradas, gerente do LSPA.

 

Rio Grande do Sul é único estado com previsão de aumento da safra em 2024

A produção agrícola em 2024 deve crescer apenas no Rio Grande do Sul (41,2%). São esperadas quedas no Mato Grosso (-14,6%), no Paraná (-1,4%), em Goiás (-4,5%), no Mato Grosso do Sul (-7,4%), em Minas Gerais (-4,5%), em Santa Catarina (-1,9%), no Tocantins (-6,4%), em Rondônia (-10,3%), em São Paulo (-3,2%), na Bahia (-2,9%), no Maranhão (-1,3%), no Piauí (-3,9%), no Pará (-5,9%) e em Sergipe (-7,0%).

“Em 2023 a safra de soja no Rio Grande do Sul foi muito prejudicada pela falta de chuvas. Já em 2024 o cenário é o oposto, então deve haver uma recuperação. No caso de Mato Grosso, como o plantio da soja não foi feito na época ideal, a estimativa da produção do produto também caiu”, acrescenta Carlos Barradas.

Estimativa para a safra de 2023 é 20,2% superior à de 2022

A pesquisa também traz a estimativa de novembro para a safra de 2023 de cereais, leguminosas e oleaginosas, que alcançou 316,3 milhões de toneladas, 20,2% maior do que a obtida em 2022 (263,2 milhões de toneladas), crescimento de 53,1 milhões de toneladas. Na comparação com outubro, houve redução de 995,3 mil toneladas (-0,3%). A área a ser colhida foi de 77,8 milhões de hectares, apresentando crescimento de 6,3% frente à área colhida em 2022, aumento de 4,6 milhões de hectares. Frente ao mês anterior, a área a ser colhida mostrou um decréscimo de 192 633 hectares (-0,2%).

O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo, que, somados, representam 92,6% da estimativa da produção e respondem por 87,0% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior, houve acréscimos de 4,3% na área do milho (declínio de 2,0% no milho 1ª safra e crescimento de 6,4% no milho 2ª safra), de 7,1% na do algodão herbáceo (em caroço), de 26,9% na do sorgo, de 8,8% na do trigo e de 8,0% na da soja, ocorrendo diminuições de 8,2% na área do arroz e de 7,0% na do feijão.

Quanto à produção, houve aumentos de 26,9% para a soja, de 14,4% para o algodão herbáceo (em caroço), de 49,9% para o sorgo, de 18,9% para o milho, com acréscimos de 9,2% no milho na 1ª safra e de 21,9% na 2ª safra, enquanto para o arroz em casca e para o trigo, ocorreram decréscimos de 3,9% e 11,3%, respectivamente.

A estimativa de produção para a soja foi de 151,7 milhões de toneladas. Já para o milho a previsão foi de 131,0 milhões de toneladas (27,8 milhões de toneladas de milho na 1ª safra e 103,3 milhões de toneladas de milho na 2ª safra). A produção do arroz foi estimada em 10,2 milhões de toneladas; a do trigo em 8,9 milhões de toneladas; a do algodão herbáceo (em caroço) em 7,7 milhões de toneladas; e a do sorgo, em 4,3 milhões de toneladas.

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

Arrombamento em relojoaria de Tangará: Polícia prende 3 e recupera objetos

Na madrugada desta segunda-feira, 20, uma relojoaria localizada no...

Percentual de analfabetos não reduz em Mato Grosso em 5 anos

A quantidade de pessoas analfabetas ficou estável em Mato...

Há 10 anos, Polícia Federal invadia todos os Poderes em Mato Grosso

Há exatamente 10 anos, Mato Grosso amanhecia como destaque...
Feito com muito 💜 por go7.com.br