segunda-feira, 20 maio 2024
- Publicidade -
Dengue
21.5 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

O que é a covid longa? Três a cada quatro infectados têm esses sintomas

Pesquisa avaliou a prevalência da Covid longa em mil pacientes infectados pelo coronavírus de 2020 a 2023

Um estudo inédito que acompanhou mil pacientes durante os últimos 3 anos mostra que 3 em cada 4 infectados pelo coronavírus desenvolveram covid longa, ou seja, sintomas persistentes da doença após 3 meses de contaminação. Pessoas que não completaram o ciclo vacinal contra a covid-19 tiveram 23% mais chance de ter covid longa.

As conclusões da pesquisa coordenada por pesquisadores das universidades federais de Pelotas (UFPel) e do Rio Grande do Sul (UFRGS) estão em artigo publicado no início do mês, na revista científica “Cadernos de Saúde Pública”.

Na coorte Pampa (Prospective Study About Mental and Physical Health), os autores coletaram informações sobre pacientes no Rio Grande do Sul infectados pelo coronavírus em diferentes momentos desde o início da pandemia de covid-19, entre junho e dezembro de 2020, e junho de 2021, 2022 e 2023, por meio de questionários online.

“A ideia era ter uma visão a curto, médio e longo prazos”, explica Natan Feter, pesquisador da UFRGS e autor do estudo. “No início da pandemia, estávamos preocupados com as taxas de infecção. Agora estamos preocupados com as consequências da covid-19”, diz o autor.

O que a covid longa?

A covid longa é caracterizada pela persistência de sintomas da covid-19 por 3 meses ou mais. Dores de cabeça, fadiga, perda de olfato e paladar, tosse, queda de cabelo e complicações neurológicas foram os sintomas mais relatados pelos participantes da pesquisa. Mulheres relataram mais sintomas de fadiga, dores de cabeça e queda de cabelo do que os homens.

Condições como obesidade e tabagismo intensificaram sintomas de dores de cabeça, perda de olfato e paladar e complicações neurológicas. Pessoas que praticam atividade física apontaram menos sintomas comparados a sedentários, assim como quem não tomou a primeira e segunda doses da vacina da covid-19 e as doses de reforço.

“Existe um gradiente dose-resposta entre vacinas e covid longa: quanto mais doses, maior a proteção. Assim, quem não tomou dose de reforço ficou mais vulnerável a desenvolver covid longa”, explica Feter.

Segundo avalia o pesquisador, a covid longa é considerada como uma nova fase pós-pandemia de covid-19. “Essa condição crônica está associada a perda de produtividade e maior gasto do sistema de saúde pública, especialmente em países de baixa e média renda, onde o sistema é mais frágil”, comenta.

Os resultados da pesquisa, segundo ele, coincidem com achados de pesquisas internacionais sobre essa doença. “Talvez a pandemia tenha dado uma trégua, mas ainda vamos ouvir falar das suas consequências por mais tempo”, observa o autor.

A equipe pretende continuar acompanhando a prevalência de sintomas da covid longa no Rio Grande do Sul por meio de novos questionários online. A expectativa é de que um novo levantamento seja feito em junho de 2024.

O grupo também quer investigar a associação da persistência de sintomas da doença com outros fatores, como uso de cigarro eletrônico e sintomas de depressão e ansiedade. As novas análises podem auxiliar na elaboração de tratamentos e terapias para a condição.

 

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

Arrombamento em relojoaria de Tangará: Polícia prende 3 e recupera objetos

Na madrugada desta segunda-feira, 20, uma relojoaria localizada no...

Percentual de analfabetos não reduz em Mato Grosso em 5 anos

A quantidade de pessoas analfabetas ficou estável em Mato...

Há 10 anos, Polícia Federal invadia todos os Poderes em Mato Grosso

Há exatamente 10 anos, Mato Grosso amanhecia como destaque...
Feito com muito 💜 por go7.com.br