sábado, 18 maio 2024
- Publicidade -
Dengue
27.1 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Municípios alegam não ter orçamento para pagar piso salarial dos professores

O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga, avalia que a maioria dos municípios não irá conseguir cumprir o piso salarial dos professores, que teve reajuste de 15% nessa terça  (17), estabelecido em portaria do Ministério da Educação (MEC).

Segundo Neurilan, os municípios tiveram redução de receita no último ano e terão o orçamento comprometido se derem o aumento salarial.

Segundo o Neurilan, os 141 municípios tiveram uma redução na arrecadação de impostos, em especial o ICMS, de R$ 200 milhões no último semestre do ano passado.

“No primeiro semestre do ano passado, estávamos com um aumento extraordinário da arrecadação do ICMS. No entanto, no segundo semestre, com a desoneração do combustível, energia e gás, houve uma queda drástica na arrecadação. O que ganhamos no primeiro, perdemos no segundo e o ano fechou com uma receita com R$ 200 milhões a menos, em relação a 2021”, afirma.

Conforme  o presidente da AMM, as primeiras receitas de ICMS em janeiro de 2023 e o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) também apresentaram queda, o que sinaliza que esse ano não será possível cumprir, novamente, o piso salarial. No ano passado, apenas algumas cidades mato-grossenses conseguiram fazer os repasses. Algumas prefeituras, como a de Cáceres (a 250 km de Cuiabá) precisou parcelar o reajuste e só conseguiu pagar o valor integral no fim do ano.

Em uma reunião realizada entre todas associações dos municípios no Brasil junto a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), os gestores foram orientados a só fazerem o reajuste se houver recursos suficientes. A CNM afirma que não há sustentação jurídica e legal que obrigue os municípios a pagarem esse valor, já a medida foi estabelecida em portaria e não em uma lei votada pelo Congresso Nacional.

“Houve o mesmo entendimento do ano passado, quando apenas algumas prefeituras fizeram o reajuste. A portaria do MEC não tem validade jurídica. Se o prefeito entender que tem condições financeiras e tiver vontade política, não estamos o proibindo de fazer o reajuste. Mas a orientação da AMM é que os prefeitos tenham toda a cautela em promover qualquer aumento de salários e despesas, por não termos ainda um horizonte muito claro do comportamento da economia nacional com o novo governo. Recomendamos que estudem e façam planejamento do impacto nas finanças, para que não falte lá na frente”, conclui.

 

Neurilan AMM

Jacques Gosch

 

 

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

5 benefícios do chá de canela para a saúde

A canela, um ingrediente presente na culinária há séculos,...

Jogos hoje (18/05/24) ao vivo de futebol: onde assistir e horário

Confira onde assistir ao vivo aos jogos de futebol...

Em vídeo, cantor Zezé Di Camargo enaltece segurança e policiais de MT

Em vídeo, o cantor Zezé Di Camargo prestou breve...
Feito com muito 💜 por go7.com.br