quinta-feira, 13 junho 2024
- Publicidade -
20.9 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Mais de 50% já sofreram bullying em Mato Grosso

Pesquisa realizada pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) com estudantes do ensino médio, de 20 escolas públicas e privadas, aponta que 51,6% dos alunos já sofreram bullying no ambiente escolar e 8,1% tiveram seus direitos violados. Os dados foram coletados em setembro deste ano pelo Grupo de Pesquisa em Humanidades e Sociedade Contemporânea do IFMT e serão publicados no volume mais recente do e-book “Bullying: caminhos para o combate”.

Era para ser só mais um dia comum para V.M.P, em uma escola privada de Cuiabá. Mas, ao chegar à unidade, o aluno, na época com 16 anos, se deparou com várias fotos suas em situações íntimas pregadas em paredes, bancos e portas de salas de aula e dos banheiros. Colegas de classe e demais estudantes apontavam para o adolescente, riam e o chamavam por apelidos pejorativos. 

“Essa não foi a primeira vez que ele passava por bullying na escola. Meu filho era uma pessoa muito querida, extremamente carinhosa e não via maldade em ninguém. Infelizmente foi essa bondade que o tornou uma vítima fatal do bullying”, conta a A.C.M., 59, mãe de V. 

Atualmente, a mãe do adolescente vive em um município do interior de Santa Catarina. Ela se mudou após o filho cometer suicídio em outubro de 2020. A mulher relata que não tem um dia que não chore e se culpe por não ter conseguido salvar o filho da “maldade humana”. Segundo ela, apesar de sempre ser aberta para o diálogo com o único filho e sempre questionar se estava tudo bem, V. nunca contou o tanto que já havia sofrido em todos os anos escolares. “Depois que ele se enforcou na sala da minha casa, decidi ir embora. Mas, antes pedi a um rapaz que entende de tecnologia para analisar o celular e o computador que meu filho usava. Descobri atrocidades que fizeram com ele. Ele foi
muito forte, mas quis por um fim na dor que sentia”.

Ela não fez denúncias contra os possíveis agressores do filho, pois afirma que tal atitude seria ainda mais dolorida e preferiu seguir a vida lembrando o quão bom V. foi em terra. “Ele era um ser de luz. Sorte daqueles que tiveram o privilégio de conviver com ele e retribuir todo o amor que emanava”.

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

Feito com muito 💜 por go7.com.br