sábado, 22 junho 2024
- Publicidade -
Dengue
26 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

INFLAÇÃO NOS ALIMENTOS – Cesta básica de Cuiabá é a 2ª mais cara do Centro-Oeste, diz Imea

A cesta básica de Cuiabá atingiu preço médio de R$ 706,87 em setembro e já equivale a mais de 63% do salário mínimo líquido.

Com mais uma evolução, o preço médios dos alimentos na Capital é o segundo mais caro do Centro-Oeste, atrás apenas de Campo Grande (MS).

Na comparação anual, com o mesmo mês do ano passado, há incremento de 13% sobre a média de R$ 627,81 contabilizada em igual momento do ano passado, conforme levantamento do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Mesmo que na evolução mensal – ante agosto/22 R$ 705,91 – haja retração de 0,14%, o valor despedido pelo cuiabano para aquisição de alimentos básicos ainda representa mais da metade do salário mínimo líquido – descontado 7,5% da Previdência Social –, que fica em R$ 1.121.

Frente a esse valor, a cesta básica representa, na Capital, quase 63% do piso nacional.

Com mais essa alta, o conjunto de alimentos de Cuiabá exibe o 6º maior valor entre as capitais brasileiras, considerando análise do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Estão a frente de Cuiabá, São Paulo, com R$ 750,74; Florianópolis, com R$ 746,55; Porto Alegre, com R$ 743,94; Rio de Janeiro, com R$ 714,14; e Campo Grande, com R$ 711,09.

Desde janeiro de 2016, o Diesse suspendeu a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos na capital mato-grossense, avaliação mensal que vem sendo realizada pelo Imea, que adota a mesma metodologia do Departamento e, por isso, é possível inserir Cuiabá no contexto nacional.

No entanto, o Imea alterou a forma de divulgação dos preços da cesta básica há mais de um ano e, por isso, não é possível saber quais alimentos contribuíram para o avanço anual do preço.

O conjunto de alimentos é formado por 13 itens básicos que são suficientes para alimentação de quatro pessoas, sendo dois adultos e duas crianças, por 30 dias. 

DIEESE – O valor do conjunto dos alimentos básicos diminuiu em 12 das 17 capitais onde o Dieese realizamensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos.

Entre agosto e setembro, as reduções mais importantes ocorreram nas capitais do Norte e Nordeste: Aracaju(-3,87%), Recife (-3,03%), Salvador (-2,88%) e Belém (-1,95%).

Os aumentos foram registrados em Belo Horizonte (1,88%), Campo Grande (1,83%), Natal (0,14%), SãoPaulo (0,13%) e Florianópolis (0,05%).

São Paulo foi a capital onde o conjunto dos alimentos básicos apresentou o maiorcusto (R$ 750,74).

A comparação dos valores da cesta, entre setembro de 2022 e setembro de 2021,mostrou que todas as capitais tiveram alta de preço, com variações que oscilaram entre8,41%, em Vitória, e 18,51%, em Recife.

Com base na cesta mais cara, que, em setembro, foi a de São Paulo, e levando emconsideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e da família dele com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o Dieese estima, mensalmente, o valor do salário mínimo necessário.

Em setembro de 2022, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria ter sido de R$ 6.306,97, ou 5,20 vezes o mínimo de R$ 1.212,00.

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

Jogos hoje (22/06/24) ao vivo de futebol: onde assistir e horário

Confira onde assistir ao vivo aos jogos de futebol...

Prefeitura Municipal de Arenápolis entrega reforma da ESF Campina

A Prefeitura Municipal por meio da Secretaria Municipal de...

Estuprador é preso em flagrante em Tangará da Serra

A Delegacia Especializada de Defesa da Mulher (DEDM) prendeu...
Feito com muito 💜 por go7.com.br