quinta-feira, 18 abril 2024
- Publicidade -
Dengue
22.8 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Tangará é território de conflito entre duas facções criminosas, aponta estudo

Tangará da Serra e outros dez municípios de Mato Grosso são palco de disputas entre facções criminosas. Segundo o estudo “Cartografias da Violência na Amazônia”, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Mato Grosso tem três facções disputando território, o que provoca uma explosão da violência no estado, apesar do empenho das forças de segurança.

O levantamento revela que das 22 facções que agem na Amazônia Legal, o Comando Vermelho, o Primeiro Comando da Capital e a Tropa do Castelar são as que conseguiram se infiltrar em território mato-grossense, agindo em 11 municípios do Estado.

Em quatro deles há o controle de apenas uma facção e nos outros sete há uma guerra. De acordo com o diagnóstico, Cuiabá, Cáceres e Porto Esperidião são controlados pelo Comando Vermelho, enquanto Mirassol D’Oeste é dominada pelo Primeiro Comando da Capital.

Tráfico de drogas ocorre em toda a faixa de fronteira, entre Mato Grosso e a Bolívia.

Em seis deles – Tangará da Serra, Alta Floresta, Rondonópolis, Rosário Oeste, São José do Rio Claro e Várzea Grande – a disputa é entre o CV e o PCC.

Já no caso de Sorriso, considerada uma das cidades mais violentas do estado, além do CV e do PCC, a Tropa Castelar também está na guerra por território.

O relatório aponta que Mato Grosso é um estado estratégico na fronteira do Brasil e uma porta de entrada para drogas no país. A faixa de fronteira, que inclui Tangará da Serra e seus municípios vizinhos, além dos municípios da região Oeste, são caminhos do narcotráfico, de veículos roubados e, possivelmente, do tráfico de armas.

O CV predomina na região de fronteira com a Bolívia, e tem Cáceres como principal referência.

Ao comentar o resultado do estudo sobre a atuação das facções no estado, o governador em exercício, Otaviano Pivetta, admitiu que o Governo de Mato Grosso tem falhado em dar segurança à população. “A criminalidade galopa no Estado e nosso governo precisa trabalhar muito para poder dar resposta à altura a bandidagem”, reforçou Pivetta.

Veja o estudo no link a seguir:

https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2021/11/cartografias-das-violencias-na-regiao-amazonica-sintese-dos-dados.pdf

(Redação EB, com Sapicuá RN)

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

O Impacto da Patrulha Maria da Penha na Segurança das Mulheres em Nova Olímpia

Na tarde da última terça-feira dia (16), a secretária...

Quase 4 bilhões de pessoas correm risco de infecção pelo Aedes

Quase quatro bilhões de pessoas em todo o mundo...

MT reduz em 49% desmatamento de floresta nativa em 2023 em relação a 2022

Mato Grosso reduziu em 49% o desmatamento de floresta...
Feito com muito 💜 por go7.com.br