quinta-feira, 30 maio 2024
- Publicidade -
Dengue
14.1 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Dados do semestre: número de caso de feminicídio cai 5% em Mato Grosso

 

O primeiro semestre deste ano apresentou uma redução de 5% nos casos de feminicídio em Mato Grosso. De janeiro a junho de 2021, o Estado registrou o assassinato de 22 mulheres vítimas de violência doméstica, e nos seis primeiros meses de 2022, foram 21 feminicídios. Nos 12 meses do ano passado, 43 mulheres foram vítimas deste tipo de crime.

Os municípios que registraram feminicídios em 2022 foram: Rondonópolis (3 casos), Colíder (2), Várzea Grande, Alta Floresta, Campo Verde, Curvelândia, Colniza, Confresa, Cuiabá, Juara, Nova Monte Verde, Poconé, Poxoreo, Ribeirão Cascalheira, Rosário Oeste, Sapezal, Sorriso e Vera, com um caso cada.

Para a juíza Tatiane Colombo, da 2ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Cuiabá, que atua há 10 anos na Capital, os números de crime continuam altos, mas ela lembra que a redução de uma morte entre 2021 e 2022, é um marcador importante na luta pelo fim da violência.

(Foto: Christiano Antonucci / Secom-MT)

“Cada vida importa, quando olhamos apenas para o número a redução de feminicídio parece pouca, mas estamos trabalhando para que esse índice não cresça”, afirma.

Segundo a magistrada, as autoridades apostam na mudança cultural, de uma sociedade mais igualitária entre homens e mulheres, como uma das saídas do problema. Por isso as campanhas de conscientização pelo fim da violência doméstica são constantes.

“O Judiciário, a Escola Superior da Magistratura – Esmagis, e a Coordenadoria Estadual da Mulher, a Cemulher, investem em capacitação dos juízes e juízas de Mato Grosso, em ações de proteção ao direito das mulheres, na prevenção da violência doméstica e na resposta rápida quando os serviços judiciais são procurados”, cita.

Tatiane Colombo destaca que além do incentivo para que a vítima denuncie, com a Campanha Permanente do Poder Judiciário Quebre o Ciclo, os juízes e juízas investem em atividades de conscientização dos agressores, como a oficina “Papo de homem para homem”. “Esta atividade dá oportunidade ao Judiciário de entender o que leva o homem a cometer um ato violento contra a sua companheira e ao mesmo tempo trabalha a consciência desse homem como agente de uma violência”, explica.

A juíza reforça que o respaldo do Judiciário mato-grossense aos magistrados e magistradas das Varas de Violência Doméstica é imprescindível para o bom desempenho da atividade, considerada difícil e que por muitas vezes esbarra em discursos que minimizam a agressão de homens contra mulheres.

“Temos uma Presidência em conexão com a Corregedoria-Geral da Justiça quando o assunto é o combate à violência doméstica, o que nos permite dar respostas com qualidade às vítimas e familiares. Temos encontros, capacitações, estrutura diferenciada e inovações, como o Botão do Pânico e a Media Protetiva Online, que empoderam os magistrados e magistradas na tomada de decisão”, analisa. “Vamos continuar este trabalho e o que esperamos é que fechemos 2022 com a maior redução de casos de feminicídio”.

(Com informações da Assessoria)

- Publicidade -

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

Feito com muito 💜 por go7.com.br