quinta-feira, 22 fevereiro 2024
- Publicidade -
Banner Topo
28.6 C
Nova Olímpia
- Publicidade -
abaixo de ultimas notícias

Cacique mato-grossense Serere é preso e revolta começa em Brasília

 

O indígena mato-grossense José Acácio Serere Xavante foi preso no início da noite dessa segunda-feira (12), em Brasília. A ordem foi proferida pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

A prisão de 10 dias foi decretada após um pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), conforme as informações publicadas nas redes sociais oficiais da Suprema Corte.

“Segundo a PGR, Serere Xavante vem se utilizando de sua posição de cacique para arregimentar indígenas e não indígenas para cometer crimes, mediante ameaça de agressão e perseguição do presidente eleito e ministros do STF”, pontuou uma das mensagens.

Nesse sentido, a Suprema Corte alegou que a prisão teve como fundamento a necessidade da garantia da ordem pública, diante da suposta prática dos crimes de ameaça, perseguição e abolição violenta do Estado Democrático de Direito.

A determinação foi cumprida após o indígena sair do Palácio da Alvorada, onde passou o dia reunido com outros manifestantes e chegou a se encontrar com o presidente Jair Messias Bolsonaro (PL), que foi à entrada da residência presidencial.

Mobilização

O indígena integra o grupo de manifestantes que está mobilizado em Brasília, desde que as eleições foram finalizadas e o candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi declarado eleito. Os manifestantes questionam a lisura do processo eleitoral.

Nos últimos dias, Serere e outros indígenas ganharam destaque nas redes sociais, por conta de suas ações em Brasília, como os protestos realizados no Aeroporto da cidade e na porta do STF.

Em suas falas, Serere questiona a legitimidade das decisões tomadas pelo ministro do STF e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), inclusive defendendo a prisão de Moraes por suas ações “arbitrárias”, segundo o indígena.

No dia 6 de dezembro, o cacique protocolou uma notícia crime contra Moraes no Supremo Tribunal Militar (STM). Não há detalhes da ação no sistema judicial.

Após a prisão, a esposa de Serere gravou um vídeo pedindo a libertação do marido.

Revolta

O clima em Brasília já era tenso por conta da diplomação de Lula pelo TSE, realizada na tarde dessa segunda-feira.

Após a prisão de Serere, indígenas e não indígenas foram para a sede da Polícia Federal e cercaram o local. Vídeos que circulam pelas redes sociais mostram pessoas correndo enquanto é possível ouvir barulhos que seriam de tiros.

Em outra gravação, manifestantes questionam a prisão e a polícia aplica spray de pimenta e joga bombas de efeito moral.

Outro vídeo mostra atos de vandalismo com carros sendo depredados e incendiados. Segundo relatos que circulam nas redes sociais, os responsáveis não seriam os manifestantes da mobilização que perdura há mais de 40 dias, mas sim pessoas infiltradas de outros grupos políticos  (principalmente ligados ao partidarismo de esquerda) .

Grupos da elite da Polícia Militar tomaram as ruas para resgatar a ordem, após determinação do Governo do Distrito Federal.

- Publicidade -
big master

Compartilhe

Popular

Veja também
Relacionados

Desmatamento na Amazônia cai 60% em janeiro de 2024

O desmatamento na floresta amazônica caiu 60% em janeiro deste ano, chegando ao...

Bandido que agrediu vítima ao roubar bicicleta é preso pela PJC de Tangará

A Polícia Judiciária Civil por meio da Delegacia Especializada...

Concursos públicos municipais pagam até R$ 18 mil em MT

Concursos públicos e seletivos com inscrições abertas em Mato...
Feito com muito 💜 por go7.com.br