Nova Olimpia (MT), 21 de novembro de 2017 - 14:20

? ºC Nova Olimpia - MT

Curiosidades

02/10/2017 08:26

Deputado que saiu de casa de pijama antes de operação faz caminhada 2 vezes ao dia na prisão por recomendação médica

O deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), que está preso há mais de duas semanas por suspeita de obstrução da Justiça, faz caminhada duas vezes ao dia no Centro de Custódia de Cuiabá, segundo a Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), por recomendação médica.

A caminhada é realizada no espaço destinado ao banho de sol, de acordo com a secretaria.

O órgão informou ainda que as refeições recebidas pelo parlamentar é a mesma oferecida aos demais presos da unidade. Ele tem direito a café da manhã, almoço e jantar. A comida chega na unidade prisional em cubas térmicas e depois é servida aos presos, em bandejas.

No entanto, os presos também podem receber alimentos de fora, além de produtos de higiene pessoal. "A pessoa custodiada pode receber, conforme portaria interna e divulgada na unidade, produtos de higiene pessoal, gêneros alimentícios e roupas permitidos, roupas de cama, chinelos, ventilador e colchão (caso a unidade não disponha)", pontuou.

Fabris está preso no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC) (Foto: Reprodução/TVCA)Fabris está preso no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC) (Foto: Reprodução/TVCA)Fabris está preso no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC) (Foto: Reprodução/TVCA)

Os advogados podem visitar os presos de segunda a domingo, incluindo feriados, entre 8h e 18h. Já as quarta-feiras e domingos são reservados às visitas de familiares e amigos, devidamente credenciados junto ao sistema prisional.

Fabris divide a cela com o ex-vereador de Cuiabá João Emanuel Moreira Lima, que está preso há mais de um ano, por crimes cometidos na gestão dele como presidente da Câmara Municipal de Cuiabá.

O deputado é suspeito de obstrução da Justiça na Operação Malebolge, da Polícia Federal. No pedido de prisão feito ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Procuradoria Geral da República (PGR) argumenta que há indícios de que ele tenha tomado conhecimento da operação e deixado a casa às pressas antes da chegada dos agentes da PF na casa dele para o cumprimento de um mandado de busca e apreensão.

As câmeras de segurança do prédio onde ele mora registraram o momento que o deputado pega o elevador do prédio às 5h34 do dia 14 - data da operação, de pijama e chinelo, e com uma mala pequena nas mãos, segundo a decisão do ministro do STF Luiz Fux, que determinou a prisão dele. A maleta, de acordo com a PGR, poderia conter documentos de interessa da investigação, além de dinheiro.

 

Fonte Pioneira


Click Nova Olímpia

Todos os direitos reservados
É proibido a cópia total ou parcial do conteúdo, e a reprodução comercial sem autorização.
Nova Olímpia - MT

Busca

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo