Titulo fixo

Nova Olimpia (MT), 23 de outubro de 2018 - 08:48

? ºC Nova Olimpia - MT

Acontecimentos

PROFISSÕES 07/08/2018 12:16 Letycia Cardoso - extra.globo.com/emprego

Quase 30% dos professores precisam de renda extra para pagar as contas

78% entrevistados na pesquisa responderam que escolheram a profissão por afinidade

No Brasil, a profissão mais numerosa do país, que ocupa 2,2 milhões de pessoas, tem a maioria de seus profissionais insatisfeitos. Apenas três em cada dez estão felizes com todos os quesitos de seu ofício. De acordo com a pesquisa Profissão Docente — levantamento feito na Educação Básica pelo Todos pela Educação, em parceria com Itaú Social e Ibope Inteligência, entre os março e maio deste ano — 29% dos professores exercem uma segunda atividade para complementar a renda.

Esse é o caso da professora de Educação Física da rede estadual de ensino, Márcia Rodrigues, de 50 anos. Além de trabalhar em duas escolas de Cabo Frio (RJ), para conseguir manter as contas em dia, ela atua como personal trainer em academias e ainda aplica provas de concursos públicos.

— Às vezes, não dá nem para almoçar, porque o intervalo é muito curto para me deslocar de uma escola para a outra. E os extras que faço aplicando provas sempre são nos fins de semana. Para ter uma vida com um pouco de conforto, é preciso trabalhar duro — desabafou.

Assim como os 78% entrevistados na pesquisa, que responderam que escolheram a profissão por afinidade, a professora de Biologia Andrea Piratininga, de 47 anos, percebeu ainda na faculdade que gostava de dar aulas. Entretanto, dos 20 anos como docente, 18 também foram de dedicação ao artesanato para complementar a renda.

— Faço desde bijuterias a bolsas e até reforma de móveis. Isso garante 30% da minha receita — contou.

Durante a maior parte da carreira, a professora Andrea Piratininga fez artesanato para completar a sua renda. Durante a maior parte da carreira, a professora Andrea Piratininga fez artesanato para completar a sua renda. Foto: Roberto Moreyra / Agência O Globo

Já a professora de Português Clarice Goldemberg, de 63 anos, há 22 concilia a rotina de lecionar com correções de texto para outros profissionais (com advogados), a fim de ter verba para seu lazer. A docente faz parte dos 48% que se sentem desvalorizados. Para ela, a falta de infraestrutura é um grande problema hoje em dia:

— Fora o salário, a sala de aula não é preparada para o professor: o ar-condicionado pinga, espumas fazem a vez de apagadores.

A pesquisa ainda revelou que 62% dos docentes querem aumento salarial, 64% esperam a restauração da autoridade e do respeito frente à comunidade escolar, e 69% desejam formação continuada para exercer o ofício de forma eficaz. Tamanha insatisfação se reflete em outro dado que influencia as próximas gerações: 49% não recomendam a profissão para os mais jovens.

A remuneração média no país, segundo os professores pesquisados, é de R$ 4.451,56, atualmente. Mas um em cada três professores têm contrato com carga horária de menos de 20 horas semanais, o que pode ter impacto na renda e também no cumprimento do 1/3 da carga horária prevista na Lei do Piso do Magistério para as atividades extra-classe.


Click Nova Olímpia

Todos os direitos reservados
É proibido a cópia total ou parcial do conteúdo, e a reprodução comercial sem autorização.
Nova Olímpia - MT

Busca

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo